terça-feira, 30 de junho de 2009

(Fascículo 9)

Cap. 4 – Os Novos elementos aportados

Começa recentemente a ser divulgada toda uma parte importante da história da China com a abertura recente deste País à era da globalização ,permitindo a consulta a documentação existente nas suas Bibliotecas e Palácios Imperiais, por parte de especialistas e ainda permitindo verificações arqueológicas que têm posto a descoberto segredos inesperados.
Sabe-se hoje,generalizadamente a importância do Zhu Di ,Imperador da época Ming,

Imperador Zhun DI


que tomou o poder aliando-se, para isso aos eunucos da corte, verdadeiros guardas imperiais ,olhos e ouvidos do grande senhor, existindo em grande número, e sobre quem recaía (por serem castrados) a grande missão de guardar os milhares de concubinas do imperador. Ora de entre estes, um de nome Maeh (depois mudado para Zheng He) foi parar ao palácio impeial .Zheng era um mulçumano convicto. Era um homem com figura imponente(mais de dois metros) ,um soldado extraordinário ,rapidamente reconhecido como o «Grande Eunuco». Apesar de nunca ter visto o mar,Zheng foi nomeado comandante de toda a frota, uma armada cujas dimensões (em embarcações e homens) são hoje inimagináveis. O imperador Zhu Di – a quem se deve a reconstrução da Grande Muralha - pretendeu criar um império(os seus anteriores, e até depois os seus sucessores - admitiam que a China era tão grande que não era necessário procurar nada para lá do seus limites geográficos) e para tal desígnio determinou construir uma armada. Criou um estaleiro próprio (em Lonjiang) onde se construíram portentosos juncos de nove mastros, (com mais de 130 metros de comprimento!) e muitas outras embarcações (250 navios do tesouro e mais 3500 de diverso tipo, dos quais 400 cargueiros para transporte de cereal ,água e cavalos) destinadas a cumprir o seu grande objectivo. Nunca a China atingiu dimensão maior e projecção tal no mundo oriental ,como as que foram mostradas aquando da inauguração da Cidade Proibida(Pequim) com o seu Palácio Imperial.


Aos seus navios, determinou
navegar por todos os mares do mundo e deles elaborar os respectivos mapas”.
Pretendia o Imperador submeter todas as nações ao tributo chinês. E para isso começou a enviar os seus navios aos países vizinhos no sentido de controlar a rota da seda que percorria toda a Ásia central.
Zhu Di reuniu os astrónomos e encarregou-os de estudarem a orientação pelas estrelas (registaram mais de 1400), chegando ao ponto de determinarem eclipses(solares e lunares) com grande rigôr. Insistindo em «comparar e corrigir o desenho das estrelas guias», mandou «noticia» a obter para tal trabalho o contributo dos reis de países vizinhos. Internamente foi Di que mudou a capital de Nanquim para Pequim, como se refere acima. Para alimentar a população deslocada mandou alargar o grande canal de modo a criar uma rede de transportes para norte ,obra das mais célebres e maravilhosas do mundo antigo, que vai de Pequim até Tangou , na costa ,perto de Xangai e por onde circulavam mais de três mil barcas de fundo chato. Foi no seu reinado que se imprimiram centenas de livros citando os grandes filósofos ,isto portanto dezenas de anos anteriormente a Guntenberg ter editado a sua Bíblia na Europa. Tendo convidado chefes estrangeiros para visitar a Cidade Proibida ,eram estes recebidos faustosamente, deliciados com vitualhas deliciosas ,ao tempo em que milhares de concubinas especializadas lhes proporcionavam prazeres celestiais. Se quisermos ter uma ideia do fausto progrmado para a inauguração da cidade proibida, ficamos a saber que para tal acto foram convidados cerca de trinta mil embaixadores e altos dignitários dos países vizinhos. Ao tempo no casamento de Henrique V(com Catarina) apenas estiveram presentes seiscentos convivas.
Os grandes senhores foram, findas as inaugurações, levados aos seus países por cinco armadas (do Tesouro) comandadas por Zheng He que antes da partida mandou gravar pedras comemorativas. Durante as grandes viagens (provavelmente seis ou sete ) em vários locais foram deixadas pedras semelhantes ,como adiante referiremos. Zengh tinha ordens expressas para acompanhar as esquadras até ai Indico e depois voltar para trás,para a China, onde a sua presença era indispensável .Todos os comandantes das esquadras tinham a particularidade de serem eunucos.



Têm sido muitos os autores ,investigadores ,arqueólogos que vêm seguindo, e trazendo achegas, para esta nova visão do problema .Recentemente Gavin Menzies,um comandante de submarinos da Royal Navy, extraordinário e experimentado navegador, escreveu um livro polémico e até algo provocatório: 1421: The Year China Discovered the World, já traduzido e editado em Portugal .


É em todas as circunstâncias um livro que deve ser lido. Apaixonante . Estamos em presença de um extraordinário homem do mar, que dedicou anos da sua vida percorrendo todos os pontos possíveis por onde as Armadas do Tesouro poderiam ter passado. Tentando procurar vestígios da sua presença. No livro prova muitas coisas; mas deixa outras envoltas em polémica e outras em stand by, aguardando argumentação científica (ADN ,testes de carbono etc.),para retirar dúvidas. Mas merece ser lido e objecto de reflexão e estudo.Está já acriar enorme discussão, o que é o mais importante.

Por todo o lado vão-se recolhendo novos elementos, novos indícios.
Se essas viagens forem confirmadas muitas interrogações encontrarão resposta.
Em todas as circunstâncias ,a tal suceder, em nada fica beliscado o grande capítulo da história mundial escrito pelos portugueses.
É ainda contudo cedo para se avaliar a questão.
Num próximo trabalho abordaremos as embarcações que permitiram as grandes viagens marítimas. Tentaremos sistematizar num pequeno trabalho as diferenças e a evolução que permitiu o apuramento das qualidades náuticas comas que permitiram superar os mares distantes dos fins do mundo.

Senos da Fonseca, Junho 2009

Cont : Este Blog terá continuidade com um novo »As embarcações das grandes ViagensMaritima »


BIBLIOGRAFIA E IMAGENS

Imagens:
-Histortical Maritime Maps –Donal Gavin ed Parkstone Press
-História das Viagens Maritimas _Donal Jonhson e Jucha NurKimen,ed Sete Mares
-História dos Descobrimentos –Jaime Cortesão Ed Arcádia
-Mapsoramas Map
-Explore Historye-Maps
-Historia National geographic
-La aventura de La História
-História Y Vida
-A Caminho da India –Bjorn Landstrom
-Historical Atlas of The Vickings
Atlas de Cristoph Colomb

Escrita

Jaime Cortesão –História dos Descobrimentos
Armando Cortesão- The Nautical Chart of 1424
Johnson ,Donald – História das Viagens Marítimas
Wigal,Donald-Historic Maritime Maps
Peres ,Damião – História dos Descobrimentos Portugueses
Monteiro ,Vaz –O propositado encurtamento do Atlântico nas Cartas Portuguesas do Séc XVI.-Coimbra
Menzies ,Gavim -1421cThe Year China Discovered the World
Brochado Costa -«O Piloto Árabe de Vasco da Gama»
Bjorn Landstrom -«A Caminho da índia»

Nenhum comentário:

Postar um comentário